Skip to main content

Mais de 100 empresas da Galiza e Norte de Portugal já utilizam as ferramentas TIC do projecto europeu ER-INNOVA

São já mais de uma centena as PME do sector das energias renováveis da Galiza e do Norte de Portugal que estão a utilizar as ferramentas TIC, desenvolvidas no âmbito do projecto europeu ER-INNOVA, para melhorar a sua competitividade. Os seus representantes, bem como os responsáveis por outras empresas, associações sectoriais e plataformas tecnológicas, assistiram esta manhã à apresentação dos resultados desta iniciativa transfronteiriça, cofinanciada pela União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e coordenada por três parceiros galegos e um português, a NET – Novas Empresas e Tecnologias, S.A.

Durante o evento que se realizou em Ourense, na sede do chefe de fila do projecto (Parque Tecnolóxico de Galicia - Tecnópole), a directora do Tecnópole, Luisa Pena, incentivou “todas as PME do sector das energias renováveis da Euro-Região a juntarem-se às mais de 100 que já utilizam as ferramentas criadas no âmbito do ER-INNOVA, todas com um elevado índice de satisfação, nesta primeira fase de implementação”.

O responsável pela Inovação e Energias Renováveis da Direcção Geral de Política Regional da Comissão Europeia, Mathieu Fichter, assegurou durante a sua intervenção que o desenvolvimento das energias renováveis na União Europeia depende principalmente dos esforços regionais. “Por isso, e pelo seu carácter cooperativo e transfronteiriço, valorizo de forma muito positiva o projecto ER-INNOVA”, referiu.

Fichter explicou que ontem mesmo se tornaram públicas as linhas de orientação da política europeia em matéria de energia, sendo prioritárias as que ajudam as regiões a fomentar o seu potencial endógeno de crescimento. “As ajudas vão vincular-se à qualidade e aos resultados do projecto”, adiantou. Neste sentido, referiu ainda que após 2013, os fundos estruturais vão centrar-se na inovação e na economia verde.

Segundo Fichter, os objectivos da política energética da UE são a competitividade, a segurança e a sustentabilidade, “objectivos que se adequam perfeitamente ao projecto ER-INNOVA”.

Inovar para crescer

Por sua vez, o Director-geral de I+D+i de la Consellería de Economía e Industria, Ricardo Capilla, reforçou a necessidade de potenciar a investigação e a inovação, tendo em vista o crescimento. “É imprescindível rentabilizar o investimento público em investigação, aproveitando a valorização dos seus resultados para obter o retorno necessário em termos de crescimento económico”, assegurou.

Ferramentas TIC prontas para utilizar

O projecto ER-INNOVA materializou-se num programa piloto de implementação de ferramentas de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em aproximadamente uma centena de PME da Euro-Região Galiza-Norte de Portugal.

A implementação destas ferramentas – um ERP (sistema de gestão de recursos empresariais) específico e um portal Web (www.energytic.eu), dotado de um mercado virtual e serviço de facturação electrónica – nas PME participantes, durante a fase piloto do projecto e sua posterior extensão a outras do sector, tem como objectivo melhorar a capacitação da rede empresarial da Euro-Região para que sejam competitivas e desenvolvam iniciativas inovadoras de carácter cooperativo.

O sistema ERP (sistema de gestão e recursos empresariais), pronto a utilizar, foi entregue aos participantes na conferência.

O projecto teve o apoio do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) da União Europeia, ao abrigo do Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal 2007-2013, no eixo de actuação correspondente ao fomento da competitividade e a promoção do emprego. O financiamento total foi de 931.693,68 € (75% procedente do FEDER).

As entidades promotoras do ER-INNOVA são a NET - Novas Empresas e Tecnologias, S.A. – Business and Innovation Centre do Porto (BIC Porto), o Parque Tecnolóxico de Galicia – Tecnópole, a Fundación para o Fomento da Calidade Industrial e do Desenvolvemento Tecnolóxico de Galicia, através do seu Departamento de Programas Internacionais de I+D+i (OPIDi) e a Asociación de Empresas Galegas adicadas a Internet e as Novas Tecnoloxías (EGANET).